O remake da novela Guerra dos Sexos, está bem fiel à sua primeira versão, pelo menos no que se refere aos personagens principais.

Mas continuo achando que antigamente as novelas eram mais românticas… o beijo era mais esperado, a trilha sonora era mais impactante… enfim, tinha mais romance… até os casais só ficavam juntos no final, deixando a torcida louca de ansiedade.

Atualmente, as histórias são mais rápidas e as cenas românticas perdem espaço para o humor pastelão e para outros núcleos.

Mas voltando à Guerra dos Sexos, o que me fez trazer esse assunto hoje, é a história de Juliana (Mariana Ximenes) protagonista da trama… uma mocinha daquelas que espera viver um grande amor.

O problema é que Juliana está sempre procurando o amor, onde existem barreiras.

Para você entender: no início ela tem um caso com o fotógrafo Fábio (Paulo Rocha) que é casado com uma mulher problemática e doente de ciúmes, depois de passarem por maus momentos, Fábio se separa, mas Juliana se afasta e não quer mais.

No meio de toda a confusão, o motorista Nando (Reynaldo Gianecchini) que sempre foi apaixonado por ela e nunca notado, se envolve com uma outra mulher, Roberta Leone (Glória Pires) e coincidentemente quando isso acontece, Juliana começa a se apaixonar por Nando.

Agora vamos sair da ficção e imaginar situações como esta que são vividas por algumas pessoas… na vida real, muitas mulheres se dizem sem sorte por só aparecer homens comprometidos nas suas vidas, mas sempre estão se envolvendo com um deles.

Não há evidências de que há uma busca pelos homens emocionalmente indisponíveis, mas por ironia do destino ou por um desejo inconsciente, essas mulheres voltam sempre ao mesmo padrão.

Coincidência ou não, alguns amantes acabam o relacionamento quando uma das partes se separa… talvez o que estivesse sustentando o caso, seja mesmo o mistério e a iminência do perigo.

O caso da protagonista da novela, parece mais uma triste reviravolta do destino, mas ainda assim, vale analisar se ela não tem um desejo oculto pelo que é proibido.

As traições podem até parecer divertidas no início… uma pequena porcentagem  das mulheres que se envolvem em algo assim, tem consciência de onde estão se metendo… mas a grande maioria se apaixona de verdade e torce para que o caso se torne um relacionamento oficial.

Os homens possuem um maior distanciamento emocional para lidar com isso.

Há os que querem mesmo só uma diversão extra e que não pretendem abandonar a namorada e há os que se envolvem e resolvem romper com tudo para bancar a nova paixão.

Não é condenável que você se apaixone por alguém comprometido, as pessoas possuem encantos e podem despertar sentimentos, mesmo sem essa intenção.

O que conta mesmo nesse tipo de situação, é a forma que você irá conduzir… continuar investindo, ignorando que existe uma terceira pessoa, é o grande erro de quem entra nessa. Se apaixonar é uma coisa… querer viver essa paixão proibida já é arriscar demais.

Mas a síndrome do homem comprometido, é real para algumas mulheres… aquelas que não querem compromisso sério, apenas um bom sexo e nada de cobranças depois, então se envolvem com homens dispostos à isto, que normalmente tem uma relação estável.

Este não é o caso da mocinha da novela que no caso é só a dona de um coração sem sorte, mas algumas mulheres gostam mesmo desse tipo de aventura.

Sem querer julgar ou condenar nada, nem ninguém… não dá para ser egoísta e pensar só em você. O lugar já estava ocupado e respeito é fundamental.

Se apaixonou? Então tenta viver esse sentimento com liberdade, se não der para ser assim… melhor desistir!

Pin It on Pinterest

Share This
Leia o post anterior:
O carnaval chegou!

Não importa qual será a melhor música do carnaval... seja dançando, largadinho ou fazendo o ziriguidum, o que vai rolar...

Fechar