Texto: Pedro Cordier

 

De: Ele [ele.comercial@empresa.com.br]

Enviada em: Quinta-feira, 1º de agosto de 2013 04:52

Para: Ela [ela.marketing@empresa.com.br]

Assunto: Um novo começo…

Oi L…

Nesse momento, enquanto escrevo esse email, vejo seu corpo nu, em minha
cama, banhado pela luz da lua que invade meu quarto, nesses últimos vestígios de
madrugada…
Vendo você dormir assim, com um semblante tão doce e sereno, até pra mim é
difícil acreditar em tudo o que aconteceu… Que noite!!

Cheguei no escritório após uma reunião fora e, ao acessar minha caixa de entrada,
me deparei com seu email, intitulado “Eu obedeço…”

Não me causou nenhuma surpresa esse seu jeito selvagem e livre de ser. Pelo
contrário, isso foi uma das coisas que mais mexeu com meus instintos…

Quando cheguei na sala de reunião, a primeira coisa que fiz foi ocupar o lugar bem
defronte à porta, para poder me deliciar com a sua chegada… Logo que você entrou
na sala, nossos olhares se cruzaram e eu pude sentir a sua excitação em estar ali…
Não na empresa ou na sala de reunião, mas, ali, comigo…

Você deu bom dia a todos e sentou-se ao meu lado. “Safada…”, pensei…

Quando a reunião começou, encostei minha perna na sua, sem tirar os olhos da
tela… Percebi o seu esforço em manter a concentração nos números que estavam
sendo apresentados… Foi um esforço louvável… Durou até o momento em que
baixei o meu braço e toquei a sua coxa, por cima da saia vermelha que você
usava…

Você se ajeitou na cadeira e deu um leve suspiro… Eu sorri, discretamente,
e fui deslizando minha mão, agora tocando a sua pele e sentindo o quanto a
situação estava esquentando… Adivinhação não é comigo… E, nesse caso, foi uma
delícia sentir que eu estava certo quanto à peça da lingerie que você não estava
usando… Para não fazê-la cometer nenhuma loucura, parei por ali e levantei a mão,
abruptamente, fazendo uma pergunta sobre a apresentação, o que deixou você
gelada, pela mudança repentina de clima.

Quando a reunião terminou, saquei o celular, fingi estar recebendo uma ligação e
saí sem, sequer, olhar pra trás…

No final do expediente, mandei uma mensagem no whatsApp: “Daqui a 1 hora,
me espere no Cafélier. A mesa com a melhor vista da Baía de Todos os Santos está
reservada”.

Quando cheguei no local combinado, entrei e, antes de me aproximar da mesa,
fiquei te observando… Você estava, absolutamente, linda… À meia luz de velas, você
admirava aquela vista maravilhosa, enquanto degustava uma taça do Maculan
Fratta 2006
que mandei reservar pra gente…

Fui recebido com um sorriso repleto de confidências, o qual foi retribuído com
um longo e suave beijo… Eu já gostava daquele vinho, mas, na sua boca, ele estava
ainda mais gostoso…

Jantamos, conversamos um pouco, rimos bastante dos “nosso detalhes” dentro da
reunião… Até que eu me aproximei e falei  no seu ouvido: “Vamos continuar a noite
em outro lugar…”

Ao chegarmos em minha casa, abri a porta e não acendi a luz. Te convidei pra
entrar, estendendo minha mão para guiá-la no escuro. Mandei você parar e fui
pegar uma venda preta, de seda. Coloquei nos seus olhos, peguei na sua mão e
voltei a conduzí-la. Desta vez, escada acima, até o meu quarto…

Quando nos aproximamos da minha cama, você exclamou: “Que cheiro gostoso de
rosas!!” – O quarto e a cama estavam cobertas por centenas de pétalas…
Sem falar, absolutamente, nada, abri a sua blusa, tirei o soutien, abaixei a sua saia
e te joguei na cama… Amarrei suas mãos na cabeceira e comecei a explorar cada
centímetro do seu corpo, com beijos e carícias que resultavam em sussurros e
gemidos, cada vez mais intensos…

Não sei quantas e quais palavras seriam necessárias para descrever o que
transcorreu a partir dali…

“Sei que os olhos se fecham
e as palavras cessam
quando a língua lasciva
sorve a tua saliva
e entorpece o teu ventre
deslizando acima
em cima
entre…

Quero quebrantar o sem nexo
e penetrar no teu sexo
para sentir o teu eu
sentindo o que é teu
e te amar plenamente
amar a tua alma
corpo
e mente…”

Os minutos deram lugar às horas, repletas de momentos de prazer… Tão gostosos.

Tão nossos… Até você adormecer em meu peito…

Não tenho a menor pressa que a madrugada termine… Quero ficar aqui, olhando
você dormir, já relembrando com saudade, tudo que vivemos e aprendemos, um
com o outro, essa noite…

O que se iniciou como um jogo com regras e regulamentos definidos por mim,
agora ganha ares de uma página em branco, pronto para começar a ser preenchida
a quatro mãos…

P.

(Acabou de escrever o email, postou e foi se deitar. Quando ela se aninhou no seu
peito, sentiu que poderia, enfim, descansar, sem a menor preocupação em “ter que”,
absolutamente nada… Mesmo acompanhado, sentiu uma estranha sensação de
liberdade… )

 

Acompanhe aqui, a história completa:

Desejo incontrolável

O jogo está apenas começando

Aceito as regras do jogo

Pin It on Pinterest

Share This
Leia o post anterior:
Aceito as regras do jogo

De: Ela [ela.marketing@empresa.com.br] Enviada em: Quarta-feira, 31 de julho de 2013 08:52 Para: Ele [ele.comercial@empresa.com.br] Assunto: Eu obedeço...   Oi...

Fechar