Se você quiser pode ler o texto ouvindo Gavin James:

 

No fim de um relacionamento algumas frases doem muito ao ouvir, tipo: “você vai encontrar alguém que te faça feliz”, “o problema não é você sou eu” e dentre tantas outras que eu poderia citar aqui, concluo com uma que tem o mesmo poder de fazer a ferida sangrar: “vou deixar na portaria”.

Como machuca ouvir isso!

No meio da dor e de toda a pendência afetiva, dias depois do término sem ver ou ter notícia da pessoa, a mente é vasculhada tentando achar motivos para forçar algum contato ou encontro casual. Daí que você lembra que esqueceu algum objeto na casa da pessoa e liga ou manda uma mensagem cobrando como se aquilo fosse algo imprescindível para sua vida, quando na verdade nem se importa com a tal coisa, apenas com a remota possibilidade de uma reaproximação.

E é aí que você desce mais um pouquinho no fundo do poço ao ouvir do outro lado: “vou deixar na portaria”. Cortante e sem meias palavras.

Essa frase liquida qualquer esperança, aniquila as expectativas e causa aquele arrepio da morte que percorre a coluna. Quando alguém, que até dias atrás era íntimo, não quer mais te olhar nos olhos, significa que a partir daquele momento vocês não passam de meros conhecidos.

A resposta “vou deixar na portaria” não é só uma informação simples, significa não ter mais acesso ao território que um dia foi cenário do amor que existiu (e que no seu caso ainda existe), significa não saber mais sobre a vida daquela pessoa, não saber se os móveis vão continuar no mesmo lugar ou se a TV da sala foi trocada. Significa ruptura, quebra de vínculo, laço, proximidade. Significa distância.

Para quem fala é rápido, prático e sem dor. Para quem ouve é fim.

E só quando você chega na portaria do prédio que um dia foi tão lar quanto a sua casa, é que entende o quanto agora ela parece triste e desconhecida. Pega o que te pertence, oferece um sorriso amarelo ao porteiro que já viu os teus melhores sorrisos e vai embora. A cidade é grande e a tua felicidade deve estar em outro prédio, em outra varanda com vista pra lua, em outra cama, em outro coração… em outra portaria.

Pin It on Pinterest

Share This
Leia o post anterior:
pés
Esse caminho eu sei de cor

Se você quiser pode ler o texto ouvindo:   Mais uma vez tentei entender e resolver o dilema que está...

Fechar