Roda de samba de Carybé

Ilustração de Carybé

Os baianos bem informados conhecem e admiram a geração de Batatinha, Riachão, Walmir Lima, Panela, Garrrafão, Ederaldo Gentil, Roque Ferreira, Edil Pacheco, Nelson Rufino; os grandes sambistas de nossa terra que surgiram nas décadas de 60 e 70 e ainda hoje, os vivos, nos brindam com o seu talento. Ignoram, porém, os precursores: compositores e intérpretes que residiam em Salvador e que na década de 1920, influenciados pelo sucesso dos filhos de baianos residentes no Rio de Janeiro, João da Baiana, Heitor dos Prazeres, Donga, dentre outros, criaram sambas carnavalescos, ou, de ocasião. Um samba diferente do samba originado nas rodas do recôncavo com os seus cânticos, chulas, de inspiração coletiva.

Um desses compositores foi Astério Menezes da banda militar do 19 Caçadores e diretor do Centro Musical Baiano. Menezes é o autor do samba “Sai Piroca”, cantado no Carnaval de rua de 1921 pelo irreverente bloco “Raparigas em Folia”: “Já começa a me bulir/você é mesmo bulidor/Por favor seu Piroca/Está perto/Não me fale em amor”. Pela mesma época o compositor criou o samba “Coco Baiano” em resposta ao “Fala meu louro” com que o genial compositor Sinhô, do Rio, esculachou com Ruy Barbosa, candidato derrotado na eleição para Presidente em 1919.

Samba Sai Piroca de Astério de Menezes

Acervo da Fundação Gregório de Mattos

Não encontrei ainda a letra de Astério de Menezes, a resposta à provocação de Sinhô cujos versos em ritmo de samba, apelavam: “A Bahia não dá mais coco/para botar na tapioca/Pra fazer o bom mingau/para embrulhar o carioca/Papagaio louro do bico dourado/Tu falavas tanto/Qual a razão que vives calado”. Imortalizados por Francisco Alves. Outro compositor de samba baiano, aqui residente, da década referida, foi Mathias de Almeida, autor de “Mamãe Carinhosa”.

A chegada do rádio impulsionou em definitivo a divulgação do samba que passou a ser o gênero popular mais apreciado pelo público. Em inícios da década de 30, entre 1932 e 1935 para ser mais exatos, surgem os grandes talentos do samba baiano, uma geração que contava com Dorival Caymmi, Humberto Porto, Antônio Maltez, Esmeraldo Fernandez, Lourdes Cardoso, Aurinha Figueiredo, Baby Soares… Compositores e intérpretes que se apresentavam nas rádios Sociedade, Clube e Comercial, esta última (PRF8)reuniu os melhores nomes do samba soteropolitano.

Lourdes Cardoso foi a mais festejada sambista da década. “A gente ouve Lourdes Cardoso e pensa que é Carmem Miranda”, escreveu um crítico da época. Autora de “Queixas de Colombina”, “Tenho um rival” e “Olha só o Retratinho”, dentre outras composições; esta última com a sua letra provocadora: “Se você me deixar/não pense que eu vou chorar/olhe só o retratinho do moreno/que tenho para seu lugar”. Entre os homens Esmeraldo Fernandez era a grande atração. Conviveu com dois compositores geniais:  Humberto Porto (autor do clássico “Jardineira”) e Dorival Caymmi que dispensa comentários, músicos que deixaram a terrinha para alcançar o sucesso na capital do país.

Radio. Esmeraldo Fernandez. O Malhho. Agosto 35 (3)

Esmeraldo Fernandez

Radio. Antônio Maltez. O malho. 1935 agosto (2)

Antônio Maltez

Fernandez criou e interpretou em parceria com Caymmi o samba “Pela décima vez” e são de sua autoria “Morena do Tororó”, “Estão batendo”, “Exéquias”… A dupla Caymmi e Maltez também brilhava nos prefixos das emissoras de rádio locais e nos programas de auditório, ao vivo, do Teatro Guarany. A parceria rendeu: “O namorado da Lua” e outras tantas, segundo o registro dos jornais.

Triste é verificar que nenhum dos sambistas baianos aqui referidos, com exceção de Porto e Caymmi, é registrado no Dicionário Biográfico Cravo Alvim da Música Brasileira com seus mais de 10.000 verbetes. A história do samba baiano precisa ser contada pelos baianos e não apenas pelos cariocas que já transformaram como verdade absoluta o já manjado roteiro onde a samba baiano é apenas um reduto da boemia da Praça Onze. (Nelson Cadena)

Publicado originalmente no jornal Correio * em 21 de abril de 2017

Pin It on Pinterest

Share This
Leia o post anterior:
As raríssimas e poucas imagens de índios baianos no século XIX

A Marc Ferrez devemos as únicas imagens existentes de índios baianos no século XIX, meia duzia de fotografias, a maioria...

Fechar