Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/iblogs/ibahia.com/blogs/a/blogs/wp-includes/theme.php on line 630

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/iblogs/ibahia.com/blogs/a/blogs/wp-includes/theme.php on line 630
“Eu tenho o direito de não gostar de lésbicas” | Cultura e Sexualidade
Categories: Uncategorized

“Eu tenho o direito de não gostar de lésbicas”

Gilmaro Nogueira

Num dia qualquer, numa sala de debate de alguns gays, após um filme, ouvi a frase que escolhi para o título deste post. Confesso que fiquei assustado e, por alguns momentos, senti que estava discutindo com um desses grupos conservadores que defendem o direito de não gostar de homossexuais.

Estamos falando de grupos conservadores que não gostam de gays, de gays que não gostam de lésbicas e de todos esses sujeitos, justificando a aversão a um grupo específico. Espanta-me que alguns gays, que sofrem tanta agressão física, verbal e psicológica, se utilizem do mesmo discurso de ódio.

Mas por que essa rejeição às lésbicas? Descobri que isso tem relação com um grupo específico, as lésbicas masculinizadas. Mas, então, por que os gays que atribuem tanto valor à masculinidade rejeitam as lésbicas masculinas?

Esses sujeitos entendem que a masculinidade é um atributo do homem e que as mulheres devem ser femininas. Assim, as mulheres que se comportam de um modo atribuído ao masculino são consideradas anormais.

Créditos: Max Sauco

Essa é uma armadilha de uma ideologia naturalizante – operar pela patologização e produção da anormalidade. Essa ideologia é tão forte que mesmo os homens que não se adéquam ao perfil masculino, tal como ele é exigido na sociedade, questionam as mulheres que também não se adéquam.

No próximo dia 1º de agosto, às 18h30, estará presente no Congresso da ABEH, na UFBA, Jack Halberstam, autora do livro: Mulheres Masculinizadas. Esse livro problematiza a concepção de masculinidade como atributo do homem. O autor e diversos outros teóricos questionam a ideia de que a feminilidade seja um desígnio da mulher, sem uma intervenção pedagógica.

Créditos: Max Sauco

Assim, a masculinidade ao ser considerada como atributo natural do homem não é aceita nas mulheres lésbicas. Quando uma mulher é heterossexual e masculina, diz-se que ela é batalhadora, guerreira e valente, mas se essa mulher for lésbica estará sujeita a uma série de preconceitos, inclusive de alguns gays.

Não podemos deixar de desconsiderar que todos os homens têm, em algum grau, atributos femininos; todas as mulheres têm atributos masculinos. Os gêneros não são puros. Logo, estamos condenando diversxs sujeitxs que não se adéquam aos limites do que culturalmente determinamos para a constituição desses gêneros.

Em uma dessas festas de São João observei uma mulher masculinizada. Ela dançava de um modo bem masculino. Eu fiquei encantado, não consegui tirar os olhos de seus movimentos. Nesses movimentos estava a prova de que os comportamentos esperados de um sujeito, relativo ao seu gênero, são aprendidos, estão disponíveis a todos os sujeitos, mas nós violentamente impomos aos corpos que se comportem dentro de um modelo esperado.

Créditos: Max Sauco

 

Fica evidente também que a concepção de sexualidade como essência, vista como natural, é um risco a respeitabilidade. A ideia de natural cria os desvios e as concepções de anormalidade. É uma ideologia perigosa que faz com que mesmo indivíduos patologizados com esse discurso violento e excludente, patologizem os outros. As violências são reproduzidas.

Utilizar como justificativa o uso de nossos direitos para justificar nosso ódio ou rejeição a determinados grupos é mais uma dessas violências contra as quais lutamos. Quando utilizamos esses recursos, nos aliamos a esses grupos conservadores, espalhando o ódio e exclusão.

E quando ouço essas frases, de que não gosto de tal grupo, eu nunca deixo de considerar que é uma inveja infame do outro. Sim, acho que esses gays adorariam “ser” o que essas mulheres conseguem “ser” tão bem – masculinas. E viva as diferenças!

 

gilmaronogueira

View Comments

  • O normal é homem ser masculino e mulher feminino. Á homofobia aplica-se ao sujeito que maltratam os homossexuais, e preconceito é quando se fala algo sem uma teoria. Então ser contra o ato não significa que o cidadão seja homofóbico ou preconceituoso. Existem vários homens ex-homossexuais, como também devem existir mulheres. Podemos até engolir uma opção contraria ao que nossos pais nos orientaram, mas a mior mentira de um ser humano normal é dizer que aceita numa boa. Sem essa de preconceito ou homofobia, temos que dizer o que achamos e o porque achamos dessa forma. Devemos orientar os nossos filhos o mais cedo possível. Tenho uma filha que apesar de ser uma criança, já sabe que o futuro dela será ao lado de um homem de verdade.

    • Sociedade, que pune às pessoas que por " se despir de hipócrisias e julgamentos", são julgados por falar do Mundo de maneira verdadeira. O Gay merece respeito! Sou vítima da homofobia, por ter um irmão homosexual, não quero aqui ser moderado na proclamação da verdade, mas ficar aceitando clichês, opniões formadas, vítimas do censo comun. Não dá!!!

      "Prezado Gilvan,
      Não se trata de engolir, é uma mera questão de respeito à individualidade do próximo, a opção, essas suas palavras: "mas a mior mentira de um ser humano normal é dizer que aceita numa boa". Está entre as piores coisas que tive o desprazer de ler!!!

    • As pessoas têm o direito de fazer o que bem entenderem ou o que suas orientações definirem, desde que isso não prejudique a vida de seu semelhante, os direitos do outro ou não permita que cumpram suas obrigações. Não existe problema algum em ser gay ou lésbica, o problema está na hipocrisia da sociedade que insiste em querer meter o dedo na vida do outro por se achar no direito de dar palpites. Já passou da hora das pessoas aprenderem a cuidar de suas vidas e deixar que os outros sejam felizes em paz.
      Sinceramente? Dizer para uma criança que ela irá casar com um homem ou uma mulher não irá torna-la gay ou hetero. Ninguém quer sofrer preconceito e ofensas físicas e verbais. Não existe a opção de ser gay, a pessoa simplesmente é.

      • Olha na verdade a psicologia diz que a criança copia tudo que vê ou é ensinada de 0a 6 anos. Então se eu disser para uma criança nesta considição sendo ela menina que tem que namorar uma menina, sim, ela irá ver isso como o certo para ela.
        Então sua Tese é derrubada ai. Entre outras coisinhas.

    • não entendi, homofobia se trata de maltratar e preconceito de falar mal? Existem varios ex-homossexuais e ex-lesbicas? tbm continuo sem entender..ser humano normal? tbm n entendi...o que é preciso para ser considerado um ser humano normal? homem gostar de mulher e mulher gostar de homem? roubar, matar, tbm se encaixa nessa normalidade porque se ele ja gosta de mulher e mulher ja gosta de homem, ele/ela ao menos nao eh gay..Acorda, Seu Gilvan..A sociedade muda, está mudando..quantos e quantos, mestres, doutores, intelectuais, são gays..quantos e quantos são seguidos...O Mundo hoje não cabe mais pessoas com esses tipos de pensamentos..vc infelizmente ou felizmente, tem que ensinar a sua filha que existe uma diversidade hoje clara e eminente e que deve ser respeitada..quer vc queira ou não..O mais engraçado eh vc "perder o seu glorioso tempo, porque deve ser glorioso" pra ta lendo um texto a favor dos homos, e ainda comentar..va procurar ler a definicão de homofobia e prenconceito, alias..a diferença é o grau de violência com que se manifestam. #fica a dica

    • "... Podemos até engolir uma opção contraria ao que nossos pais nos orientaram, mas a mior mentira de um ser humano normal é dizer que aceita numa boa."
      O trecho acima já é por si só um poço de preconceito (Opinião ou pensamento acerca de algo ou de alguém, construído a partir de análises sem fundamentos, ou preconcebidas sem conhecimento e/ou reflexão).
      Em seguida ele se refere a "ser humano normal". Complicado negar preconceito assim, já que o que não segue seus padrões é tido como anormal.
      Quem foi que disse que homem tem que ser só masculino e mulher tem que ser só feminina? A mesma pessoa que te disse isso também disse o que você deve ou não comer? como deve andar, se mover? ou isso é algo que vem de você?
      A não ser que seja um fantoche e faça tudo que te ordenarem.
      Reflita meu caro, o ser humano é uma especie no mundo, mas cada pessoa é um mundo particular, e nesse universo particular de cada um ninguém pode definir, ou talvez nem haja normal ou anormal.
      Espero que sua filha não sofra por estar num mundo em constante mudança e ser instruída por alguém tão arcaico.

    • Gilvan,tenho uma coisa para lhe dizer sobre isso de "Tenho uma filha que apesar de ser uma criança, já sabe que o futuro dela será ao lado de um homem de verdade."

      Desde pequena meninas pensam em ficar com o príncipe,e meninos pensam em ser super heróis,o meu caso,é mais masculino.De certa forma,eu sempre fui lésbica,mas,sua filha entende sobre o sexo?Sobre aquilo que tem entre as pernas?Sobre o que o homem,que ela achará ser o "príncipe encantado" vai fazer com "aquilo"?!

      Ela não sabe,e se não sabe,ela só acha que o normal é princesa e príncipe,mas ela nunca viu um cara pelado,pra sentir atração de verdade.Ela nunca sentiu nada por um homem ou mulher,ela pode ver um princesa e achar linda,um príncipe e achar um sonho,mas o mundo mostra que o azul é com o rosa,o príncipe é com a princesa,a abelhinha é com o zangão,e isso leva ela a não pensar em azul com azul,rosa com rosa.

      Se quiser mesmo que ela se interesse por um homem,terá que obriga-la a aceitar o que acontecerá em seu relacionamento hétero.
      Não me diga que mataria sua própria filha por homossexualismo?
      Pense.

  • Homens e mulheres são, por natureza, diferentes - esse discurso conservador nos remete ao pensamento de que ambos não podem manifestar expressões e/ou sentimentos do gênero oposto, uma vez que tais atitudes iriam de encontro ao padrão estabelecido socialmente. E a que padrão estamos nos referindo???

    Bom, uma vez que todos seres humanos são dotados das mesmas capacidades físicas e psíquicas e são investidos dos mesmos sentimentos e necessidades, de onde vem a idéia de que "homem tem que ter jeito de homem” e “mulher tem que ter jeito de mulher"? Sem excesos, não podemos deixar de considerar o fato de que ambos - homens e mulheres – são contituídos por características dos dois sexos, por isso, atitudes e sentimentos que sejam diferentes do sexo predominante – seja masculino ou feminino - devem ser compreendidas e toleradas.
    Independente da opção sexual, todos merecem respeito e liberdade para se expressar da maneira que achar conveniente desde que não afete ao próximo.

    Ainda que muitos considerem o padrão conservador como “certo”, não podemos desprezar o fato de que existem, sim, novos comportamentos e novas opções para que as pessoas façam suas escolhas e sejam felizes da maneira que quiserem.

    Muitos grupos que se rebelam contra os homossexuais e destorcem o conceito de unidade e respeito que deveria existir em todos os ambientes civilizados, causando um desequilíbrio social além muita violência, seja física, psicológica, sentimental,...etc.

    É importante entender que ninguém é obrigado a apoiar o homossexualismo ou ser homossexual mas, sim, compreender, aceitar e respeitar as diferenças.

    Particularmente, até o presente momento não identifiquei na mídia nenhum caso de homossexuais que tenham se manifestado contra heterossexuais simplesmente por não aceitarem o seu modo de ser. Imagine se isso acontecesse??? Muitos de nós não estaríamos vivos pra discutir esse tema tão polêmico, necessário e que merece toda a nossa atenção pois faz parte de nossas vidas, faz parte do nosso meio social.
    Viva as diferenças!
    Norma Regina Silva

  • Excelente e oportuno post. Gilmaro. Porque vemos que a comunidade gay reproduz os mesmos preconceitos heteronormativos da sociedade em geral. Preconceito contra gays afeminados, pobres, feios (ou fora do padrão de beleza "fortinho com topete") e até mesmo contra as lésbicas. Temos uma comunidade gay setorizada e avessa à diversidade, muito diferente do que já foi a Carlos Gomes, quando era o epicentro da vida gay na cidade. Enfim, temos uma comunidade gay em grande parte heteronormativa.

  • Todas as respostas dadas ao cidadão Gilvan foram por demais inteligentes e oportunas. Tal cidadão deve viver mergulhado no mar da ignorância e hipocrisia, de modo que está transferindo isso para a filha. Infelizmente!! Causa-me espécie em saber que existem pessoas contrárias a determinados temas, perdendo seu tempo lendo matérias à respeito e, ainda por cima, externando opinião despropositada e rasa.

  • Será q as pessoas ñ percebem q só precisam respeitar as outras dentro de suas singularidades, q o problema ñ ser masculino ou feminino, gay ou lésbicas, o problema ainda é o DESRESPEITO. Isso tudo pra mim é surreal, séc. XXI...

    Parabéns mais uma vez pelo texto Giba.

  • Olá, caro colega Gilmaro.

    Você se esquece que a diferença também é aquela que não aceita um posicionamento, mesmo de "minoria" (?). Por isto, pedi um direito de resposta ao seu texto, para considerar o outro lado da moeda.

    []s

  • Quanto aos comentários: a questão cultural presente na sociedade atual é : há algum valor real em viver uma vida por tradição?claro, é confortável, vocês pegam os preceitos de seus pais, seus avós,alguma tradição milenar religiosa, organizações que lhe dão suporte e os reproduz, a zona de conforto é boa, tranquila, lembra a infância. Mas também é uma bela prisão, porque assim vai viver a vida toda como mero espectador, perdendo a oportunidade de conhecer pessoas incríveis, singulares, por dar tanto valor as aparências. No final do dia, do seu trabalho normal, após conversar com pessoas normais, fazer um comentário na internet normal, você vai perceber que de você mesmo, só tem vazio, porque papagaios só reproduzem, não criam . Quanto ao post, adorei.

Share
Published by
gilmaronogueira

Recent Posts

A BÚSSULA ÉTICA EM “COISA MAIS LINDA”

Por Djalma Thürler, bossanovista. “Coisa mais linda” não é sobre o país da delicadeza perdida cantado…

3 anos ago

Carros: realidade inconveniente

Nenhuma indústria teve tantas benesses dos governos, à esquerda e à direita, como a indústria…

3 anos ago

A cuarte versus a cufobia – quem vai derrubar Bolsonaro?

Leandro Colling – professor da UFBA e coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão em…

3 anos ago

Política de verdade

Ano passado, um senhor muito simpático chamado George Lakoff, linguista, mandou essa: "Trump sabe que…

3 anos ago

A Fubica é o anticarro

A luta entre a festa popular e a quaresma durou 300 anos. Com a vitória…

3 anos ago

Reflexões natalinas de uma bicha pós-cristã em resistência

Sandro Costa Correia* Nessa transição entre o velho e o novo, nessa fronteira entre um…

3 anos ago