Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/iblogs/ibahia.com/blogs/a/blogs/wp-includes/theme.php on line 630

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/iblogs/ibahia.com/blogs/a/blogs/wp-includes/theme.php on line 630
Por que a heterossexualidade não é natural? | Cultura e Sexualidade
Categories: Uncategorized

Por que a heterossexualidade não é natural?

Leandro Colling

Conforme prometi no meu texto da semana passada, vou tratar hoje sobre a desnaturalização da heterossexualidade. No dia 17 de maio de 2011, Dia Mundial de Combate à Homofobia, a Folha de S. Paulo publicou um pequeno artigo meu sobre o tema. Até hoje aquele texto gera polêmica (leia o original e algumas das repercussões através do http://www.culturaesociedade.com/cus/index.php?limitstart=20)

Naquele pequeno texto, dentro dos limites estipulados pelo jornal para a publicação na versão impressa, eu apenas defendo que o combate à homofobia deve incluir também a problematização da heterossexualidade. Que, além de afirmar as identidades de LGBTs, devemos também evidenciar o quanto a heterossexualidade é imposta sobre todas as pessoas. Eu apenas tratava de temas recorrentes em dezenas de estudos mais recentes sobre sexualidades existentes no mundo, mas o texto recebeu críticas tanto de setores conservadores quanto de várias pessoas LGBTs.

Lendo algumas dessas críticas, percebo que muitas pessoas não compreenderam o argumento central porque ainda possuem uma forte convicção de que a nossa sexualidade, seja ela qual for, é um dado da natureza, da biologia ou até um designo de Deus ou qualquer outro ser sobrenatural. Vou aproveitar agora para apresentar mais argumentos e evidências concretas que demonstram o quanto a heterossexualidade não pode ser explicada apenas como um fenômeno biológico (no quesito religião não vou entrar).

Ou seja, por que a heterossexualidade não é natural?

Primeira observação: quando dizemos que a sexualidade de alguém não é natural ou normal não queremos dizer, com isso, que as pessoas são doentes. Apenas queremos dizer que a sexualidade de cada pessoa não é o resultado de ações exclusivas de cada um de nós. Ou melhor, que as nossas sexualidades sofrem fortes influências do meio onde vivemos. Por isso, provocamos ao dizer que, na verdade, todas as sexualidades são “anormais”. O objetivo da provocação é o de retirar o carimbo de “anormalidade” apenas de determinadas expressões da sexualidade. Certamente muitos heterossexuais ficam chocados quando digo que ser heterossexual é ser “anormal”. Eles sempre pensam que os “diferentes”, LGBTs, é que são anormais e de que eles, heterossexuais, são normais.

Mas por que, afinal, a heterossexualidade não é “normal”, nesses termos que esbocei acima. Não é “natural e normal” porque a sociedade obriga que todos sejamos heterossexuais e, para isso, desenvolve o que alguns pesquisadores/as, como Guacira Lopes Louro, chama de “pedagogia da sexualidade”. O que é isso? Mesmo antes de nascermos, a nossa heterossexualidade já é imposta sobre nós. Vários instrumentos são usados nesse processo, em especial as normas relativas aos gêneros (percebem que nas minhas reflexões eu nunca desvinculo as orientações sexuais das identidades de gênero). A escolha do nome e das roupas do bebê precisam atender aquilo que a sociedade determinou como nomes e coisas de menino ou de menina.

Assim, começamos a ser criados/educados e violentados para nos comportar ou como meninos ou como meninas. Caso não sigamos as normas, começamos a sofrer violências verbais e/ou físicas. Ou seja, a violência sofrida por aqueles que não seguem as normas comprova que a norma não é natural e normal. Se assim o fosse, a violência não seria necessária, pois todos e todas nasceriam heterossexuais! A violência é o modus operandi com o qual a heterossexualidade sobrevive inabalável. Temos esse modelo hegemônico de heterossexualidade a custa de muito sangue e dor.

Quando falo dessas questões em palestras, os heterossexuais ficam nervosos, às vezes levantam e vão embora. Alguns recorrerem à reprodução da espécie e aos hormônios para explicar a atração entre pessoas de sexos diferentes. Os mais afoitos dizem que se todos fossem homossexuais a vida humana na terra estaria ameaçada. Tudo isso revela o poder do discurso naturalizante sobre as nossas sexualidades. Primeiro: faz muito tempo que os homens perderam a capacidade de identificar quando uma mulher está no cio. Ao ingressar em uma nova etapa do processo histórico da humanidade, que Freud, por exemplo, chama de “civilização” ou de “cultura”, os homens e mulheres domaram os seus instintos e, no mínimo, os transformaram em “pulsões”.

O conceito de pulsão é complexo, é “aquilo que está entre o mental e o somático” e aqui pode ser traduzido entre aquilo que diz o corpo (biologia/instinto “natural”) e a mente. Ou seja, a nossa sexualidade não pode mais ser explicada como um dado exclusivo de nossos instintos, hormônios etc desde, pelo menos, Freud, lá pelos idos de 1900. É evidente que temos cargas hormonais diferentes entre homens e mulheres, mas não são elas que acionam o nosso gozo e não são elas que comandam o nosso processo de identificação em relação às orientações sexuais e identidades de gênero.

O nosso gozo e identificações são acionados por um sem número de outras coisas, a exemplo de imagens, experiências anteriores, associações que fazemos de forma consciente ou não. Isso não quer dizer que a ação de alguma pessoa seja determinante para a sexualidade de alguém. Os processos de identificação, todos eles, desde porque gostamos de determinada cor e não outra, sofrem milhares de influências externas que são decodificadas de formas igualmente diversas pelos sujeitos. Isso também explica porque, mesmo sendo educados para serem heterossexuais, muitas pessoas não decodificam a mensagem como deseja a maioria e orientam o seu desejo para outros “objetos”.

Estas explicações são as mais aceitas entre a comunidade científica do mundo, mas existem vários pesquisadores que já tentaram comprovar se existe algum gene ou causa biológica para a homossexualidade. Nenhuma dessas pesquisas é reconhecida como válida, até onde eu sei. Eu sempre pergunto por que os pesquisadores da área médica não fazem pesquisas para explicar porque as pessoas se tornam heterossexuais.

O que a norma heterossexual (que nós chamamos nos estudos de heteronormatividade) deseja é controlar e dar apenas uma resposta para isso. Para a lógica do pensamento heterossexual, todos devem ser héteros de uma forma só (sobre a diversidade da heterossexualidade tratei no texto anterior).

E sobre a perpetuação da espécie humana? Ora, eis mais um argumento que, no fundo, é homofóbico e profundamente vinculado a uma perspectiva naturalizante. Primeiro que, ao dizer que a heterossexualidade não é natural, não estamos dizendo que todos devam ser homossexuais (aliás, que pânico é esse, não é amigas?). Segundo: hoje existem tecnologias suficientes para a produção de gestações sem o famoso sexo papai-mamãe. Os primeiros a usar esses métodos, aliás, foram os heterossexuais, é bom lembrar.

Enfim, toda essa discussão não é feita, pelo menos no meu caso, para que todas as pessoas sejam LGBTs. Nada disso. O maravilhoso da humanidade é a sua diversidade. Problematizar a heterossexualidade tem a vantagem de: 1) denunciar a violência com a qual ela se mantém no centro; 2) revelar o seu caráter histórico e construído; 3) evidenciar que ela produz homofobia; 4) possibilitar que outras heterossexualidades sejam respeitadas e construídas.

Se vocês quiserem, continuo esse tema na próxima quarta. Nem falei que o conceito de heterossexualidade foi criado no final do século 18…

Em homenagem ao meu amigo Ronaldo, que aniversaria hoje, mando beijos de língua.

 

leandrocolling

View Comments

  • Oi Leandro,
    Adoro seus textos e devo dizer que inspiram ótimas discussões. Antes mesmo de terminar o texto pensei no argumento da reprodução. Como você mesmo citou existem inúmeros métodos para gerar filhos sem necessariamente existir o sexo mas isso é uma coisa relativamente nova. Hoje é possível ter um filho biológico sem ter contato sexual mas pensando em 100, 150 anos atrás este poderia ser um argumento mais concreto. Acho que é válido se manter neste tema na próxima quarta!!!!
    Abraços.

    • gente...Este texto é um é um absurdo, um lixo... quer dizer que se eu gosto do meu marido e ele me atrai é por que meus pais me instigaram á tal comportamento? Será que nossos pais e a sociedade influencia as crianças desde pequenas a gostarem de homem??? Genteeeeeeeee SOU CONTRA A HOMOFOBIA MAIS dizer que hetero é anormal aí já é demais... os homossexuais querem fazer lavagem cerebral nas pessoas e na sociedade! Pessoal tomem cuidado! Tenho personalidade própria! Ainda creio que a educação e os ensinos foram os melhores e continuarão por longos anos e ensinarei o mesmo para meus filhos!

      • Boa. Esse artigo é um lixo escroto. Além de não dar nenhuma evidência científica para suas alegações, o autor parte somente para fazer propaganda de quinta do homossexualismo (sim, ISMO. Homossexualidade é um termo errado para eles).

        E não sou homofóbico pois não tenho pavor de homossexuais.

        • Pois é Emerson,completando o que você disse,homofobia quer dizer medo exagerado de homens,já que homo em latim quer dizer homem.Esses babacas queriam criar uma palavra que descrevesse aversão a homossexuais e criaram uma palavra totalmente vazia de sentido"

      • Esse texto é coisa de gay inconformado com sua situação de ser uma anomalia ambulante, uma minoria....VIVA A HETEROSSEXUALIDADE!! Relações homoafetivas são inferteis, se a humanidade dependesse de vosso amor para continuidade da espécie estaríamos condenados a extinção!

        • Mas existe alguma coisa que OBRIGUE uma relação a ser fértil ?? partindo desse pressuposto - a fertilidade- , um casal hétero estéril ou onde um dos dois é estéril é tao responsável pela extinção da raça humana quanto um casal homossexual.

          • Homossexualidade é uma escolha e esterilidade é uma fatalidade qualquer em uma pessoa. Não use de retóricas idiotas com pessoas inteligentes e sim, esse texto é um lixo e está escrito sem comprovação científica nenhuma. Há casos na natureza onde seres vivos são capazes naturalmente de mudar de sexo para manter a continuidade das espécies, mas veja a diferença, eles mutam por causa da continuidade da espécie e não porque adoram dar o forévis.

          • e vc foi concebido pelo anus né????ou é filho de chocadeira???não sou contra homossexuais mas dizer que a heterossexualidade é "anormal" é ridículo!!!!basta fazer o teste: pegue 3 grupos de 100 pessoas cada, um de gays, outro de lésbicas e um terceiro de héteros, coloque cada um dos grupos em uma ilha isolada diferente e volte lá depois de 100 anos, em qual das tres ilhas ainda haverá humanos????

          • É, mas você se esquece que casais heterossexuais estéreis são minoria, ou seja, a esmagadora maioria é fértil e isso é o normal para a continuidade da raça humana. Não me interfiro na sexualidade de ninguém, porém que fique claro que homossexuais não se reproduzem sexualmente, de uma forma ou de outra, precisam da união e da procriação dos casais heterossexuais, ou será que os homssexuais não tiveram pai e mãe que os concebesse?

          • nenhuma raça é escrota,onde esta o respeito pela vida,afinal sabemos que a origem das raças são falhas geneticas,talvez se vc agir na racionalidade poderá perceber que a homoxessualidade pode ser uma das muitas vias de evolução, somos muitos ignorantes para matar a charada da vida estudando ,ainda mais condenando.

      • Desde crianças somos direcionados mentalmente a agir de certa forma, o fato é que nada que conhecemos, sabemos ou como agimos é exclusivo e de natureza nossa. Todo o conhecimento é passado seja pela família, pelos amigos ou pela a sociedade ao redor. As palavras "heterossexual" e "homossexual" nao exprimem absolutamente nada em uma sociedade cujas discussoes teologicas sao desprezadas.
        "Nos acreditamos que dominamos as palavras, mas sao as palavras que nos dominam". O Ser humano e um animal que pode, facilmente, sofrer o fenomeno da alienaçao. Voces nunca questionaram por que na natureza a relaçao "homoafetiva" e tao comum? Isso simplesmente acontece , pois nao se estabeleceu, no reino animal, algum ser que dite ou cuspa regras sem fundamentos.
        “porque não é o homem, mas o mundo que se tornou um anormal” - Antonin Artaud

    • Acho interessante a busca de uma explicação para os comportamentos sexuais. Mas relativizar a heterossexualidade como não-natural é um exagero. Se a heterossexualidade não é natural, logo a homossexualidade também não será.

      A sexualidade humana é naturalmente heterossexual a fins de perpetuação e reprodutividade. A questão afetiva é outro fator dentro da sexualidade, que muda o comportamento sexual. Na minha opinião não existe orientação sexual sem fatores externos, e a heterossexualidade se mantém natural sempre, devido a fatores simplesmente biológicos.

      Se a sexualidade é definida por fatores externos como apelatividade, problemas emocionais ou amadurecimento emocional em locais e culturas diferentes, isso é outro passo dentro da sexualidade em relação a emoções e ao pensamento racional.

      Por mais que tente se justificar, a heterossexualidade está em todos os seres humanos, afins de reprodução. Outros fatores externos podem mudá-la.

      Resumindo, eu penso que cada um pode pensar e ser o que quiser, mas não se pode provar o contrário da orientação sexual à procriação. Já o comportamento em relação a vida de cada um, será da opção ou imposição da mesma por fatores externos e internos.

      • 1) "Se a heterossexualidade não é natural, logo a homossexualidade também não será": o autor é bastante claro ao definir que "apenas queremos dizer que a sexualidade de cada pessoa não é o resultado de ações exclusivas de cada um de nós. Ou melhor, que as nossas sexualidades sofrem fortes influências do meio onde vivemos. Por isso, provocamos ao dizer que, na verdade, todas as sexualidades são 'anormais'."

        2) "Na minha opinião não existe orientação sexual sem fatores externos, e a heterossexualidade se mantém natural sempre, devido a fatores simplesmente biológicos.": você se contradiz quando condiciona o determinismo biológico, mas também aceita que existem influências externas. Muitos antropólogos defendem um determinismo cultural no ser (verbo) humano, como Canclini, em "Culturas híbridas, poderes oblíquos". Somos humanos porque temos cultura, e é essa cultura que condiciona nossa existência, acima (não negando) o biológico, geográfico etc. O autor parece bastante claro ao afirmar que todas as formas de sexualidade são 'anormais' porque não existe uma 'normalidade' na cultura.

        3) "...heterossexualidade está em todos os seres humanos, afins de reprodução". Homossexualidade, bissexualidade e até mesmo assexualidade também estão presentes em todas as culturas, porque são fatores comuns a elas. A heterossexualidade está presente em todas as culturas por fins de reprodução apenas - minha opinião - porque nossa cultura ainda não conseguiu desenvolver outros meios de reprodução eficazes senão o coito + gestação. Atualmente já existem técnicas de fertilização fora do corpo, o que é totalmente "antinatural" do ponto de vista de quem defende a reprodução "natural", mas que é amplamente aceito pela maioria das culturas. O desenvolvimento cultural (= tecnológico também) futuro poderá propiciar outras formas de reprodução humana que não a que conhecemos até então, e isso não tem nada de "antinatural". Essa defesa do "natural" não tem razão de ser porque não existe "naturalidade" na cultura, no sentido de não haver uma cultura que se sobreponha às demais e possa condicionar uma norma. E todos os aspectos que envolvem a vida humana, incluindo a reprodução, são permeados culturalmente. O abandono do sexo somente para fins reprodutivos é um exemplo.

        4) "...não se pode provar o contrário da orientação sexual à procriação". E os casos de homens homossexuais que têm filhos com mulheres homossexuais, criando uma família dupla para o bebê? Ou o caso de pessoas que procriam para outras? O "drible" que fazemos para a reprodução normativa é uma estratégia também cultural.

        • Tu cagou pela boca! Criar família dupla para o bebê? Seus pais fizeram isso contigo? Seu alienado!

    • Apesar dos métodos artificiais sempre será necessário um HOMEM e uma MULHER para doar os espermatozoides e os óvulos. Ou seja, por mais porra-louca que a estrutura "familiar" tente ser, todo ser humano tem um PAI e uma MÃE biológicos. A imposição da heterossexualidade é da natureza, ou mais precisamente, de seu Criador.

  • Acabei de comentar num post do Gilmaro, que a comunidade gay é, em grande parte, tão heteronormativa, quanto a sociedade em geral. Daí a valorização dos estereótipos do gay "masculino, fortinho, com topete" e a lesbian chic, e o escárnio aos gays afeminados e lésbicas. A suposta aceitação de gays e lésbicas na sociedade e nas representações audiovisuais dos meios de comunicação tem um preço caro: a sua heteronormatização.

    • gente............Este texto é um é um absurdo, um lixo... quer dizer que se eu gosto do meu marido e ele me atrai é por que meus pais me instigaram á tal comportamento? Será que nossos pais e a sociedade influencia as crianças desde pequenas a gostarem de homem??? Genteeeeeeeee SOU CONTRA A HOMOFOBIA MAIS dizer que hetero é anormal aí já é demais... os homossexuais querem fazer lavagem cerebral nas pessoas e na sociedade! Pessoal tomem cuidado! Tenho personalidade própria! Ainda creio que a educação e os ensinos foram os melhores e continuarão por longos anos e ensinarei o mesmo para meus filhos!

  • Muito bom o texto. Descentraliza o 'natural', o 'biológico', o 'normal' com tranquilidade e facilidade de leitura... realmente não dá pra entender o pânico que se gera em algumas pessoas ao se realizarem essas reflexões.

    Na intersecção entre sexualidade e gênero feita no texto, quando se diz de nossa criação-educação quando novxs, só destacaria que estas (o)pressões sobre o gênero afetam crucialmente pessoas transgêneras, havendo dimensões neste processo que não necessariamente envolvem a sexualidade, ou que a envolvam de uma forma mais indireta. Quando, por exemplo, se fazem associações genitália-gênero na escolha de um nome, faz-se uma pressuposição da cisgeneridade, e embora também se possam criar expectativas de heterossexualidade neste momento, me parece uma preocupação menos presente ao se tratar de um bebê que vá nascer.

    Entendo, porém, que seria necessária uma elaboração bem mais pormenorizada no texto pra se falar em cisgeneridade, e isso de fato retiraria a propensão a se ler o texto por parte de muitas pessoas e, em consequência, sua potência política. Mas achei que seria relevante fazer a observação...

    • Todo o truque dele, então, se baseia em dizer que “a normalidade é anormal por influenciar o meio mais que a anormalidade”.
      Nos países escandinavos, onde a homossexualidade é objeto de apologia e acha-se a normalização da homossexualidade. Será que a maioria é composta de gays? Claro que não. O número de gays se mantém entre 4% e 7% em todos os países.

      Este texto todo é uma propaganda gayzista.

  • Ninguém é forçado a ser heterossexual, se a maioria é hetero, os demias são exceção, por isso é natural ser hetorossexual.Agora, escolher objetos ou cores ditas femeninas, usar brincos etc,não tira de nenhum hetero a sua identidade.

    • O proprio Bolsonaro e muitos outros dizem que espancariam e espancam seus filhos quando notam algum traço de afeminamento/homossexualidade... entao imagina se não somos obrigados ou forçados? E o bullying nas escolas?

  • Parabéns Leandro! seu texto contribui muito para o debate em relação às diferentes formas de sexualidade que existe em nossa cultura. Fico muito feliz em ter esse blog como ferramenta de exposição crítica em relação aos discursos homofóbicos que reinam em nosso país. Mais uma vez, parabéns pelos ensinamentos. Sucesso no blog!

  • O autor confunde influência com determinação. A despeito do conjunto de influências que a civilização exerce sobre nós, continuamos responsáveis pelas nossas próprias escolhas. Não somos determinados, embora influenciados. Não somos vítimas da determinação cultura, nem social. A sociedade somos nós mesmos.

  • Só tenho um comentário a fazer: Srº Leandro: Arrepende-te porque é chegado o Reino dos Céus... Saiba que Jesus está voltando! Romanos: 1:25-28 " pois trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura antes que ao Criador, que é bendito eternamente. Amém.
    26 Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza;
    27 semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.
    28 E assim como eles rejeitaram o conhecimento de Deus, Deus, por sua vez, os entregou a um sentimento depravado, para fazerem coisas que não convêm;
    32 os quais, conhecendo bem o decreto de Deus, que declara dignos de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que as praticam.
    Que Deus tenha misericórdia da sua alma!

    • E você cagou no maiô com seu comentário inoportuni sua crente louca e hipócrita!!!!

    • E eu peço a Deus pai todo poderoso que tenha misericórdia pela sua heresia, Sr.ª Cláudia Fonseca. O Senhor não odeia os homossexuais. Em Mateus 11, versículos 28-30 consta "Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei". O Senhor não faz distinção dos seus filhos pela sua sexualidade. Peço ao Senhor que é Pai, Filho e Espírito Santo que a perdoe por deturpar a palavra do Senhor. Abra sua Bíblia no livro de Lucas, capítulo 18, versículo 42 e veja que Jesus disse ao cego após tê-lo curado: "A Tua Fé te Salvou". E é isso que o Senhor quer de nós, fé ! Todos somos filhos de Deus, inclusive os homossexuais. Que o Senhor a perdoe por ter deturpado suas palavras e te faça uma filha mais tolerante. Jesus Cristo aceitou Maria Madalena, e isso deveria servir como exemplo para você, Srª Cláudia. Em Nome de Jesus, o Senhor há de te tornar uma filha mais perseverante e tolerante.

    • Cláudia você mistura ensinamentos do novo testamento com antigo testamento. Que eu saiba no novo testamento, a filosofia de Jesus prega o amor e o respeito e o que nos vemos nos discursos da maioria dos cristãos ortodoxos como vc, não tem nada haver com amor e respeito. Isso se eu te explicar baseando-me na Biblia, porque se eu te explicar baseando-me na ciência, vc não vai atender, porque eu não vejo sinal de raciocínio cognitivo em vc. Portanto se alguém perdido aquí, esse alguém, é vc....

    • Ai, que crente louca! Vamos parar com esse radicalismo todo e amarmos uns aos outros, independente de cor, sexo, classe social ...

      • Ai menina burra militante esquerdista, vamos parar de usar as genitálias e o anus e começar a usar a inteligência e o bom senso.

  • Leandro,
    Fala sério!!! Bela contribuição. Aqueles que entram em pânico com a discussão deste tema, só lamento. São, quase sempre, pessoas frustadas e amedrontadas com a força de ser o que se realmente é.

    • Então sempre quem discorda tem medo?
      Só os gays estão certos em seus argumentos?

      Acho que vc deveria aceitar a opinião alheia e parar de defender a sua homossexualidade cegamente.

  • Ola,

    Adorei o seu texto. Ele me deu uma visão ampla desse pensamento abordado por você. Porém discordo em alguns aspectos. Por mais que haja essa imposição heterossexual não, há como imaginar também a criação de um terceiro gênero para definir uma criança, será apenas ou João ou Maria, e disso dessa natureza não podemos fugir.
    Uma coisa que eu sempre digo é a seguinte: É raro você ver uma mulher dirigindo bem... explico
    Em uma visão macro, assim como sua teoria da ditadura da heterossexualidade, a mulher tem o mundo voltado para vetores diferentes dos meninos. Brinca com bonecas, maquiagem etc. em detrimento a jogos, e brincadeiras envolvendo automóveis, "essencialmente masculinas". Já me deparei com ditados como, " com 15 anos a menina vai pra disney, com 18 o menino ganha um carro"- o que demonstra o que eu digo . Obviamente tornará a familiarização feminina com a direção mais difícil.... E ao contrário do que vcs possam estar imaginando, eu acredito em mulher dirigindo bem sim, basta haver uma quebra nessa parede, cultura masculina/ cultura feminina, que também é evidenciada no texto acima..

    • Eu sempre fui a garota que brincava com os garotos,e que só via a boneca pra ver ela pelada....
      É estranho?É!
      Mas eu nasci assim,desde pequena preferindo o azul,desde pequena vendo garotas peladas na TV e me sentindo estranha,eu descobri,desde os 4 anos,que eu me sentia atraída por mulheres.E com 10,que eu era lésbica.
      As diferenças são como você disse,se encontram uma garota brincando de carrinho e um menino brincando de boneca,logo vão pegar e trocar os brinquedos um pelo outro,achando que aquilo é a coisa mais errada do mundo,mas isso não vai deixar as crianças felizes,e elas podem até trocar de novo.Isso leva ao preconceito,do tipo "Não filha,não vou te comprar esse dinossauro de brinquedo,é coisa de menino!Eu te compro outra coisa,vai escolher algo mais feminino!...." isso causa crises na vida da criança.Ter que brincar com algo que não o chama a atenção.
      E o mesmo acontece quando crescemos,alguém tenta trocar nossos "brinquedos" por outros.Somos obrigados pela sociedade a ser héteros,desde que somos obrigadas a usar rosa,a usar vestido,salto alto,maquiagem,e os meninos a usar tênis,ser moleque,usar azul,jogar futebol!
      Se alguém vê isso,já acha uma abominação!Os tradicionalistas não estão prontos para aceitar um tipo de família diferente,e acham que um pênis e uma vagina juntos formam o amor,formam a vida...
      Mas estão errados!Existe o sexo sem amor,o ESTUPRO!
      Estupro gay ou lesbiano?Pouco provável.O que rola mesmo é um homem,com uns 27 anos,pegando uma jovem com por exemplo,16 anos,chantageando,mentindo,sequestrando,e depois,rola o sexo sem amor,ou estupro.Disso pode sair o gozo,os óvulos fecundados,os gemidos de "falso prazer" (é o modo que se chama quando o prazer,traz o gozo,os gemidos,os tremores,os arrepios....Mas não a felicidade,nem o amor,dá um prazer diferente,um prazer que se torna,até mesmo,doloroso e vergonhoso!),mas não o amor.
      Então,se vocês héteros acham que uma mulher e outra/um homem e outro não podem ser felizes juntas(os),tente ficar com uma pessoa do seu mesmo sexo,e veja o que ocorre quando uma lésbica/um gay fica com alguém de sexo diferente.

Share
Published by
leandrocolling

Recent Posts

A BÚSSULA ÉTICA EM “COISA MAIS LINDA”

Por Djalma Thürler, bossanovista. “Coisa mais linda” não é sobre o país da delicadeza perdida cantado…

3 anos ago

Carros: realidade inconveniente

Nenhuma indústria teve tantas benesses dos governos, à esquerda e à direita, como a indústria…

3 anos ago

A cuarte versus a cufobia – quem vai derrubar Bolsonaro?

Leandro Colling – professor da UFBA e coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão em…

3 anos ago

Política de verdade

Ano passado, um senhor muito simpático chamado George Lakoff, linguista, mandou essa: "Trump sabe que…

3 anos ago

A Fubica é o anticarro

A luta entre a festa popular e a quaresma durou 300 anos. Com a vitória…

3 anos ago

Reflexões natalinas de uma bicha pós-cristã em resistência

Sandro Costa Correia* Nessa transição entre o velho e o novo, nessa fronteira entre um…

3 anos ago