Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/iblogs/ibahia.com/blogs/a/blogs/wp-includes/theme.php on line 630

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/iblogs/ibahia.com/blogs/a/blogs/wp-includes/theme.php on line 630
Criticam os movimentos sociais LGBT, mas não participam de nada! | Cultura e Sexualidade
Categories: Uncategorized

Criticam os movimentos sociais LGBT, mas não participam de nada!

Gilmaro Nogueira

No penúltimo semestre de minha graduação, em 2009, fiz uma pesquisa, juntamente com um amigo, sobre o Movimento Social LGBT e, para minha surpresa, mais de 70% das pessoas pesquisadas não se identificavam com nenhuma ONG, mas também não as acompanhavam.

Um dos grandes questionamentos de muitos sujeitos era principalmente quanto à parada gay, pois a consideravam pouco política. Tenho observado também nas redes sociais muitas críticas à atuação desses grupos que lutam por direitos humanos, e algumas vezes concordo com algumas dessas críticas, mas o que ainda não vejo, na mesma proporção, é o envolvimento efetivo dessas pessoas em algum tipo de movimento ou até mesmo para mudar o que criticam.

Fico surpreso com a grande quantidade de pessoas que compartilham protestos nas redes sociais, mas que não participam dos protestos off-line (nas ruas, por exemplo!). Não estou desconsiderando a importância desse ativismo online, pois existem vários casos em que, através da internet, as pessoas chamam atenção da mídia e constroem fatos que pressionam por determinadas decisões. No entanto, isso não pode substituir a ida às ruas em protestos.

Pois bem, estamos diante de uma situação que requer mais que um “curtir/compartilhar” no facebook. A tomada da Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Deputados por grupos fundamentalistas aponta para o perigo de retrocedermos em questões que dizem respeito à dignidade humana.

E se o governo da Presidenta Dilma já era omisso na promoção de políticas públicas, corremos agora o risco de sairmos da omissão para a destruição do que já foi construído e discutido com muito esforço. E não se trata de um perigo a cidadania de LGBT’s, mas também a outros grupos, tais como: mulheres, negros, índios, divorciados, heterossexuais, etc.

Para ter uma ideia de como essa comissão pode interferir na vida de pessoas heterossexuais, por exemplo, é importante ressaltar que tais deputados querem restringir o número de divórcios para um. O fundamentalismo religioso quer governar a vida das pessoas, mediante suas crenças e interpretações equivocadas da Bíblia.

Mais do que nunca precisamos nos unir e sair às ruas, independente da identidade sexual e de gênero, classe ou etnia. Na primeira manifestação que realizamos contra Marco Feliciano, diversas pessoas: cristãs, heterossexuais e de variadas gerações pediam a saída do pastor, sendo aplaudidas por onde passavam. Palavras de ordem e cartazes expressavam a diversidade das pessoas envolvidas.

Campanha nas redes sociais

Não podemos nos calar, nem desanimar diante das batalhas, pois a força de nossa luta pode servir de inspiração para outros momentos da história e, melhor ainda, podemos conquistar uma aliança com outras minorais, mas, sobretudo, com heterossexuais e cristãos que discordam do modo excludente, preconceituoso e pouco ético de como essas lideranças têm conquistado tais posições.

Nossos aliados históricos fazem de conta que nada acontece, pois enquanto deputados cearenses do PSB e PV fizeram notas de repúdio, o PT da Bahia e de outros Estados se cala, faz-se de morto, ou como diz uma gíria gay, faz a egípcia! Aliás, me intriga que um vereador do PT cearense tenha retirado sua moção de repúdio contra o tal pastor, após pressões do PSC. Será que é um fato isolado?

Pergunto-me também, diante da manifestação de tantas personalidades, o que aconteceu com a voz de Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Márcio Vitor, entre outros baianos envolvidos com as minorias? Nem vou falar de Cláudia Leite e Margareth Menezes, pois acho que o silêncio das duas é um ganho. E os grupos afros? Por que não se fizeram presentes nessa manifestação de domingo passado?

É chegada a hora. Não adianta fazermos como várias pessoas que criticam as paradas por não serem políticas, mas nunca participam de uma discussão, evento ou qualquer outro ato político. Não adianta ativismo apenas online, precisamos aumentar nosso grito, vamos às ruas!

Todas no Campo Grande (SSA), nesse sábado (16/03) as 14hs.

Obs. Não deixem de ver o vídeo da deputada Érika Kokay sobre a CDH e o que significa a eleição do Pastor Feliciano.

 

gilmaronogueira

View Comments

  • Apoiado! Eu sou a favor do movimento negro tanto quanto sou do movim. homossexual(categoria na qual me enquadro), porém noto q muitos afrodescendentes tb são homofóbicos, daí não juntarem suas vozes às nossas quando o assunto é "Fora Feliciano"... infelizmente!

Share
Published by
gilmaronogueira

Recent Posts

A BÚSSULA ÉTICA EM “COISA MAIS LINDA”

Por Djalma Thürler, bossanovista. “Coisa mais linda” não é sobre o país da delicadeza perdida cantado…

3 anos ago

Carros: realidade inconveniente

Nenhuma indústria teve tantas benesses dos governos, à esquerda e à direita, como a indústria…

3 anos ago

A cuarte versus a cufobia – quem vai derrubar Bolsonaro?

Leandro Colling – professor da UFBA e coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão em…

3 anos ago

Política de verdade

Ano passado, um senhor muito simpático chamado George Lakoff, linguista, mandou essa: "Trump sabe que…

3 anos ago

A Fubica é o anticarro

A luta entre a festa popular e a quaresma durou 300 anos. Com a vitória…

3 anos ago

Reflexões natalinas de uma bicha pós-cristã em resistência

Sandro Costa Correia* Nessa transição entre o velho e o novo, nessa fronteira entre um…

3 anos ago